Roma, cidade de maravilhas e estupor. Em nenhum outro lugar, se pode usufruir de uma tal concentração e variedade de beleza, de arte, de paisagens, de pintura, de arquitetura...

Leia mais

Roma barroca

Duraçao: 3/3 h e meia.

Durante o século XVII o Barroco concretizou a política triunfante da Igreja que lutava para superar as feridas abertas pela crise causada pela Reforma protestante. Assim, neste período, palácios, fontes, praças e igrejas foram erguidos dando um novo perfil à cidade. Estilo marcado pela teatralidade, maravilha e estupor, que envolve emocionalmente o espectador e que deixou sua marca impressa na cidade, distinguindo-se até hoje com os mais famosos monumentos Barrocos conhecidos no mundo. Durante o itinerário, os nomes dos artistas protagonistas desta época são alternativamente repetidos: Bernini e Borromini.


O percurso começa na igreja de Santa Maria Della Vittoria onde é possível admirar aquela que foi cena do filme "Anjos e Demônios", obra-prima esculpida por Bernini: Êxtase de Santa Teresa (ver foto); o percurso segue com a visita dos monumentos mais significativos desta época: desde a minúscula igreja de S. Carlo alle 4 fontane, de Borromini, carregada de simbolismo, com uma decoração ritmada pelo motivo da concha, símbolo de batismo, das margaridas em estuque, símbolo de Maria mãe de Deus, com a coroa dos eleitos, e a maravilhosa cúpula em forma de favos de mel. O passeio continua na descoberta do espetáculo de cores e preciosos mármores do outro protagonista do período: Gian Lorenzo Bernini. Trata-se da igreja de Santo André al Quirinale. Já na fachada, o grande arquiteto repetiu em escala bem menor, o bem sucedido abraço da madre igreja aos fiéis da famosa “colonnata” da praça de S. Pedro. Mas o estupor e maravilha não terminam aí; repetem-se a cada momento com o panorama da cúpula Michelangiolesca da Basílica de S. Pedro vista da praça do Quirinale e o efeito de surpresa é garantido quando embocamos o trívio da Fontana de Trevi. A visão improvisa da bela fonte é de cortar o fôlego. O percurso continua na visita ao Pantheon, milagre da engenharia antiga que impressionou Michelangelo e Rafael, e termina com a visita da Piazza Navona.